Wiki Catolica
Advertisement
As origens apócrifas do cristianismo
Apresentação
1 Abrindo as portas das origens
2 O Evangelho de Maria Madalena
MM 7,1-10: a matéria MM 7,11-28: o pecado
MM 8,1-10: harmonia MM 8,11-24: bem-aventurado
MM 9,1-20: o beijo MM 10,1-25: o tesouro
MM 15,1-25; os climas MM 17,1-20: a preferida
MM 18,1-21: Meu irmão Pedro MM 19,1-3: anunciar o evangelho
3 O Evangelho de Tomé
Texto, datação e autoria Gênero Literário e conteúdo
Personagens Evangelho de Tomé e o de João
A não-dualidade O Reino do Pai
Evangelho de Tomé e os sinóticos Tomé e Maria Madalena
4 A outra Maria, mãe de Jesus, segundo os apócrifos
Os pais de Maria A infância de Maria Maria deixa o Templo
Maria em Nazaré A caminho Entre Belém, Egito e Nazaré
A morte de Jesus O anúncio da morte O dia em que Maria morreu
A procissão Maria no túmulo Resumo
5 A história de José nos evangelhos apócrifos
6 A infância de Jesus nos apócrifos
7 Conclusão
8 Bibliografia básica para o estudo dos apócrifos

O dia em que Maria morreu[]

Após três dias de oração, todos ficaram adormecidos, exceto os apóstolos e três virgens que se encontravam no recinto, Jesus veio, então, com uma multidão de anjos. Esses catavam e houve um grande resplendor no lugar. E o Salvador lhe disse: Vem, pérola preciosíssima; entra no recinto da vida eterna. Maria prostrou-se em terra e disse: Bendito seja teu nome glorioso, Senhor meu Deus, que te dignaste escolher tua serva e confiar-lhe o profundo mistério. Lembra-te de mim, Rei da Glória. Sabes que te amei de todo o coração e guardei o tesouro que me confiaste. Recebe-me como tua serva e livra-me do poder das trevas, para que não sofra nenhum encontro com Satanás, nem veja os espíritos tétricos que me rodeiam. Jesus respondeu-lhe dizendo que quando estava na cruz, o príncipe das trevas veio a ele, porém não encontrou nenhum sinal de suas obras e afastou-se vencido e humilhado, mas que ela o verá pela força da lei do gênero humano, cuja saída é a morte, porém nenhum mal ela a faria, pois ele estaria com ela para ajuda-la. Maria então se levantou do chão, deitou-se na cama e dando graças a Deus entregou o espírito. Os apóstolos viram que sua alma era branquíssima, com uma claridade que superava a brancura da neve, da prata e de todos os metais.

Outra tradição diz que Pedro interrogou a Jesus sobre quem tem uma vestimenta pura como a de Maria. Jesus respondeu dizendo que todos os eleitos presentes tem uma alma semelhante. E apresentou Maria como sinal de pureza original.

O Senhor disse a Pedro que levasse o corpo de Maria à direita da cidade, do lado oriental, onde encontraria um sepulcro novo para colocar o corpo. E ali deveria esperar até que ele voltasse. Depois de dizer isso, o corpo gritou no meio do esplendor: Lembra-te de mim, ó Rei da Glória, porque sou a tua imagem. Lembra-te de mim, porque guardei o grande tesouro que me foi confiado. Jesus disse ao corpo: Não te abandonei, margarida nova do meu tesouro. Não, não te deixarei, santuário fechado de Deus. Não, não abandonarei o verdadeiro penhor. Não, não te deixarei, porque me trouxeste e guardaste. Não, não deixarei o tesouro selado, até o momento em que o procurarei. Após dizer isto, houve um grande fragor. Jesus, então, entregou o corpo de Maria a Miguel, o guardião do Paraíso e Príncipe do povo judeu, e voltou ao céu. As três virgens, Pedro e os apóstolos lavaram o corpo, o amortalharam e o colocaram no leito. O corpo de Maria era semelhante a uma flor de lírio e exalava perfume tão suave que não se pode encontrar outro igual. Uma luz o envolvia. Os que estavam dormindo, acordaram. Pedro pediu a João, por ser virgem, que lesse o livro, que cantasse salmos diante do leito. João retrucou que Pedro, por ser pai e bispo, é que deveria fazê-lo.

Advertisement