Wiki Catolica
Advertisement
As origens apócrifas do cristianismo
Apresentação
1 Abrindo as portas das origens
2 O Evangelho de Maria Madalena
MM 7,1-10: a matéria MM 7,11-28: o pecado
MM 8,1-10: harmonia MM 8,11-24: bem-aventurado
MM 9,1-20: o beijo MM 10,1-25: o tesouro
MM 15,1-25; os climas MM 17,1-20: a preferida
MM 18,1-21: Meu irmão Pedro MM 19,1-3: anunciar o evangelho
3 O Evangelho de Tomé
Texto, datação e autoria Gênero Literário e conteúdo
Personagens Evangelho de Tomé e o de João
A não-dualidade O Reino do Pai
Evangelho de Tomé e os sinóticos Tomé e Maria Madalena
4 A outra Maria, mãe de Jesus, segundo os apócrifos
Os pais de Maria A infância de Maria Maria deixa o Templo
Maria em Nazaré A caminho Entre Belém, Egito e Nazaré
A morte de Jesus O anúncio da morte O dia em que Maria morreu
A procissão Maria no túmulo Resumo
5 A história de José nos evangelhos apócrifos
6 A infância de Jesus nos apócrifos
7 Conclusão
8 Bibliografia básica para o estudo dos apócrifos

MM 19,1-3: eles se puseram a caminho para anunciar o evangelho segundo Maria Madalena[]

1Depois que Levi pronunciou estas palavras,
2eles se puseram a caminho para anunciar o Evangelho
3Evangelho segundo Maria.

Levi foi capaz de fazer os discípulos compreenderem com o coração o significado das palavras de Maria Madalena. O texto termina dizendo que eles compreenderam suas palavras e, portanto, saíram a anunciar o evangelho segundo Maria Madalena. Será que Pedro compreendeu?

Com a fala de Levi, todos se colocaram em marcha. Em nossos dias permanece o desafio apresentado pelo evangelho de Maria Madalena. Em marcha deveríamos estar todo nós, os discípulos e discípulas do Século XXI, para anunciar esse tesouro precioso que é o evangelho de Miriam de Magdala (Maria Madalena). Esse evangelho não contradiz os canônicos, ao contrário, ele os complementa com palavras de ternura e vigor, oriundas do Mestre Jesus, muito bem compreendidas por sua amada discípula, a eterna Maria Madalena. Viver Maria Madalena é colocar-se no caminho em direção ao Repouso, ao Silêncio, onde o amado e a amada serão eternamente UM.

A Maria Madalena, por tudo que nos ensinou, resta-nos um eterno louvor eterno: Alma feminina, Amante de Cristo, Irmã, Esposa, nova Vênus, nova Pandora, virgem como Diana, sábia como Minerva, (...) imagem do amor em sua dimensão terrena, mística e espiritual, do feminino em toda sua gama de afetos e expressões, Madalena expande a luz do amor sobre o mundo; como a Verdade pirandeliana? em 'Assim é se vos parece', pode dizer, ao sair de cena: 'sou aquela que se acredita que "sou", reivindicando a liberdade de ser não mais objeto de desejo, mas sujeito de conhecimentoM. Mosco, I sette veli della Maddalena, FMR 43, 1986, 134. Maria Madalena, rosto feminino de Deus Pai e Mãe, que passemos a recordar-nos de ti não mais como pecadora arrependida, mas como santa mulher que testemunhou a ressurreição de Cristo. Que ele continue morando dentro de ti. Obrigado por nos comunicar tão grande mistério. Aprendamos a bem viver com ele, por ele eternamente. Que a sua ressurreição gere vida plena, justiça para os empobrecidos de nosso tempo.

Advertisement