Wiki Catolica
Advertisement
Exortação Apostólica Verbum Domini (30/09/2010)
Introdução * 1-5
Verbum Dei

O Deus que fala * 6-21
A resposta do homem a Deus que fala * 22-28
A hermenêutica da Sagrada Escritura na Igreja * 29-49

Verbum in Ecclesia

A palavra de Deus e a Igreja * 50-51
Liturgia, lugar privilegiado da palavra de Deus * 52-71
A palavra de Deus na vida eclesial * 72-89

Verbum mundo

A missão da Igreja:
anunciar a palavra de Deus ao mundo
* 90-98
Palavra de Deus e compromisso no mundo * 99-108
Palavra de Deus e culturas * 109-116
Palavra de Deus e diálogo inter-religioso * 117-120

Conclusão * 121-124
Fonte: Vaticano

Palavra de Deus e culturas[]

O valor da cultura para a vida do homem[]

109. O anúncio joanino referente à encarnação do Verbo revela o vínculo indissolúvel que existe entre a Palavra divina e as palavras humanas, através das quais Se nos comunica. Foi no âmbito desta reflexão que o Sínodo dos Bispos se deteve sobre a relação entre Palavra de Deus e cultura. De fato, Deus não Se revela ao homem abstratamente, mas assumindo linguagens, imagens e expressões ligadas às diversas culturas. Trata-se de uma relação fecunda, largamente testemunhada na história da Igreja. Hoje tal relação entra também numa nova fase, devido à propagação e enraizamento da evangelização dentro das diversas culturas e nas mais recentes evoluções da cultura ocidental. Isto implica, antes de mais nada, reconhecer a importância da cultura como tal para a vida de cada homem. De fato, o fenômeno da cultura, nos seus múltiplos aspectos, apresenta-se como um dado constitutivo da experiência humana: "O homem vive sempre segundo uma cultura que lhe é própria e por sua vez cria entre os homens um laço, que lhes é próprio também, determinando o carácter inter-humano e social da existência humana"João Paulo II, Discurso à UNESCO, 6: AAS 72 (1980), 738.

A Palavra de Deus inspirou, ao longo dos séculos, as diversas culturas, gerando valores morais fundamentais, expressões artísticas magníficas e estilos de vida exemplaresCf. Propositio  41.. Assim, na esperança de um renovado encontro entre Bíblia e culturas, quero reafirmar a todos os agentes culturais que nada têm a temer da sua abertura à Palavra de Deus, que nunca destrói a verdadeira cultura, mas constitui um estímulo constante para a busca de expressões humanas cada vez mais apropriadas e significativas. Para servir verdadeiramente o homem, cada cultura autêntica deve estar aberta à transcendência e, em última análise, a Deus.

A Bíblia como grande código para as culturas[]

110. Os Padres sinodais sublinharam a importância de favorecer um adequado conhecimento da Bíblia entre os agentes culturais, mesmo nos ambientes secularizados e entre os não crentesCf. ibidem.; na Sagrada Escritura, estão contidos valores antropológicos e filosóficos que influíram positivamente sobre toda a humanidadeCf. João Paulo II, Carta enc. Fides et ratio (14 de Setembro de 1998), 80: AAS 91 (1999), 67-68.. Deve-se recuperar plenamente o sentido da Bíblia como grande código para as culturas.

O conhecimento da Bíblia nas escolas e universidades[]

111. Um âmbito particular do encontro entre Palavra de Deus e culturas é o da escola e da universidade. Os Pastores tenham um cuidado especial por estes ambientes, promovendo um conhecimento profundo da Bíblia para se poder individuar, também hoje, as suas fecundas implicações culturais. Os centros de estudo promovidos pelas realidades católicas oferecem uma contribuição original – que deve ser reconhecida – para a promoção da cultura e da instrução. Além disso, não se deve descuidar o ensino da religião, formando cuidadosamente os professores. Em muitos casos, isto representa para os estudantes uma ocasião única de contato com a mensagem da fé. É bom que se promova, neste ensino, o conhecimento da Sagrada Escritura, superando antigos e novos preconceitos e procurando dar a conhecer a sua verdadeCf. Lineamenta 23.

A Sagrada Escritura nas diversas expressões artísticas[]

112. A relação entre Palavra de Deus e cultura encontrou expressão em obras de âmbitos diversos, particularmente no mundo da arte. Por isso a grande tradição do Oriente e do Ocidente sempre estimou as manifestações artísticas inspiradas na Sagrada Escritura, como, por exemplo, as artes figurativas e a arquitetura, a literatura e a música. Penso também na antiga linguagem expressa pelos ícones que, partindo da tradição oriental, aos poucos se foi espalhando por todo o mundo. Com os Padres sinodais, a Igreja inteira exprime apreço, estima e admiração pelos artistas "enamorados da beleza", que se deixaram inspirar pelos textos sagrados; contribuíram para a decoração das nossas igrejas, a celebração da nossa fé, o enriquecimento da nossa liturgia, e muitos deles ajudaram ao mesmo tempo a tornar de algum modo perceptível no tempo e no espaço as realidades invisíveis e eternasCf. Propositio 40.. Exorto os organismos competentes a promoverem na Igreja uma sólida formação dos artistas sobre a Sagrada Escritura à luz da Tradição viva da Igreja e do Magistério.

Palavra de Deus e meios de comunicação social[]

113. Ligada à relação entre Palavra de Deus e culturas está também a importância da utilização cuidadosa e inteligente dos meios, antigos e novos, de comunicação social. Os Padres sinodais recomendaram um conhecimento apropriado destes instrumentos, estando atentos ao seu rápido desenvolvimento e aos diversos níveis de interação e investindo maiores energias para adquirir competência nos vários sectores, particularmente nos novos meios de comunicação, como por exemplo a internet. Por parte da Igreja, já existe uma significativa presença no mundo da comunicação de massa, e o próprio Magistério eclesial exprimiu-se várias vezes sobre este tema a partir do Concílio Vaticano IICf. Conc. Ecum. Vat. II, Decr. sobre os instrumentos de comunicação social Inter mirifica; Pont. Cons. para as Comunicações Sociais, Instr. past.  Communio et progressio  sobre os instrumentos da comunicação social, publicada por disposição do Concílio Ecuménico Vaticano II (23 de Maio de 1971):  AAS  63 (1971) 593-656;  João Paulo II, Carta ap.  O rápido desenvolvimento  (24 de Janeiro de 2005):  AAS  97 (2005) 265-274; Pont. Cons. para as Comunicações Sociais,  Instr. past. sobre as comunicações sociais no XX aniversário da "Communio et progressio": AAS 84 (1992) 447-468; Idem,  A Igreja e internet  (22 de Fevereiro de 2002):  Ench. Vat.  21, nn. 66-95; Idem,  Ética na internet  (22 de Fevereiro de 2002):  Ench. Vat.  21, nn. 96-127.. A aquisição de novos métodos para transmitir a mensagem evangélica faz parte da constante tensão evangelizadora dos fiéis, e hoje a rede de comunicação envolve o mundo inteiro, tendo adquirido um novo significado o apelo de Cristo: "O que vos digo às escuras, dizei-o à luz do dia, e o que escutais ao ouvido, proclamai-o sobre os terraços" (Mt 10,27). Para além da forma escrita, a Palavra divina deve ressoar também através das outras formas de comunicaçãoCf. Mensagem final IV, 11; Bento XVI,  Mensagem para o XLIII Dia Mundial das Comunicações Sociais: Insegnamenti  V/1 (2009), 123-127.. Por isso, juntamente com os Padres sinodais, desejo agradecer aos católicos que lutam com competência por uma presença significativa no mundo dos mass media, solicitando um empenhamento ainda mais amplo e qualificadoCf. Propositio 44.

Entre as novas formas de comunicação de massa, há que reconhecer hoje um papel crescente à internet, que constitui um novo fórum onde fazer ressoar o Evangelho, na certeza, porém, de que o mundo virtual nunca poderá substituir o mundo real e que a evangelização só poderá usufruir da virtualidade oferecida pelos novos meios de comunicação para instaurar relações significativas, se se chegar ao encontro pessoal que permanece insubstituível. No mundo da internet, que permite que bilhões de imagens apareçam sobre milhões de monitores em todo o mundo, deverá sobressair o rosto de Cristo e ouvir-se a sua voz, porque, "se não há espaço para Cristo, não há espaço para o homem"João Paulo II, Mensagem para o XXXVI Dia Mundial das Comunicações Sociais, 6: Insegnamenti  XXV/1 (2002), 94-95.

Bíblia e inculturação[]

114. O mistério da encarnação mostra-nos que Deus, por um lado, comunica-Se sempre numa história concreta, assumindo os códigos culturais nela inscritos, mas, por outro, a própria Palavra pode e deve transmitir-se em culturas diferentes, transfigurando-as a partir de dentro através daquilo que Paulo VI chamava a evangelização das culturasCf. Exort. ap. Evangelii nuntiandi  (8 de Dezembro de 1975), 20: AAS 68 (1976), 18-19.. Deste modo a Palavra de Deus, como aliás a fé cristã, manifesta um carácter profundamente intercultural, capaz de encontrar e fazer encontrar culturas diversasCf. Bento XVI, Exort. ap. pós-sinodal Sacramentum caritatis (22 de Fevereiro de 2007), 78: AAS 99 (2007), 165.

Neste contexto, compreende-se também o valor da inculturação do EvangelhoCf. Propositio 48.. A Igreja está firmemente persuadida da capacidade intrínseca que tem a Palavra de Deus de atingir todas as pessoas humanas no contexto cultural onde vivem: "Esta convicção deriva da própria Bíblia, que, desde o livro do Gênesis, assume uma orientação universal (cf. {{BP|Gn 1,27-28), mantém-na depois na bênção prometida a todos os povos graças a Abraão e à sua descendência (cf. Gn 12,3; 18,18) e confirma-a definitivamente quando estende a “todas as nações” a evangelização"Pont. Comissão Bíblica, (15 de Abril de 1993), IV, B:Ench. Vat.  13, nn. 3112.. Por isso, a inculturação não deve ser confundida com processos de adaptação superficial, nem mesmo com a amálgama sincretista que dilui a originalidade do Evangelho para o tornar mais facilmente aceitávelCf. Conc. Ecum. Vat. II, Decr. sobre a Atividade missionária da Igreja Ad gentes, 22; Pont. Comissão Bíblica, (15 de Abril de 1993), IV, B: Ench. Vat.13, nn. 3111-3117.. O autêntico paradigma da inculturação é a própria encarnação do Verbo: "A “aculturação” ou “inculturação” será realmente um reflexo da encarnação do Verbo, quando uma cultura, transformada e regenerada pelo Evangelho produzir na sua própria tradição expressões originais de vida, de celebração, de pensamento cristão"João Paulo II, Discurso aos Bispos do Quénia (7 de Maio de 1980), 6: AAS 72 (1980), 497., levedando como o fermento dentro da cultura local, valorizando as semina Verbi e tudo o que de positivo haja nela, abrindo-a aos valores evangélicosCf. Instrumentum laboris, 56.

Traduções e difusão da Bíblia[]

115. Se a inculturação da Palavra de Deus é parte imprescindível da missão da Igreja no mundo, um momento decisivo deste processo é a difusão da Bíblia por meio do valioso trabalho de tradução nas diversas línguas. A este propósito, nunca se deve esquecer que a obra de tradução das Escrituras "teve início desde os tempos do Antigo Testamento quando o texto hebraico da Bíblia foi traduzido oralmente para aramaico (Ne 8,8.12) e, mais tarde, traduzido de forma escrita para grego. De fato, uma tradução é sempre algo mais do que uma simples transcrição do texto original. A passagem de uma língua para outra comporta necessariamente uma mudança de contexto cultural: os conceitos não são idênticos e o alcance dos símbolos é diferente, porque põem em relação com outras tradições de pensamento e outros modos de viver"Pont. Comissão Bíblica, (15 de Abril de 1993), IV, B:Ench. Vat. 13, n. 3113.

Durante os trabalhos sinodais, pôde-se constatar que várias Igrejas locais ainda não dispõem de uma tradução integral da Bíblia nas suas próprias línguas. Atualmente quantos povos têm fome e sede da Palavra de Deus, mas infelizmente não podem ainda ter um "acesso patente à Sagrada Escritura"Conc. Ecum. Vat. II, Const. dogm. sobre a Revelação divina Dei Verbum, 22., como desejara o Concílio Vaticano II. Por isso, o Sínodo considera importante, antes de mais nada, a formação de especialistas que se dediquem a traduzir a Bíblia nas diversas línguasCf. Propositio 42.. Encorajo a que se invistam recursos neste âmbito. De modo particular, quero recomendar que seja apoiado o empenho da Federação Bíblica Católica para um incremento ainda maior do número das traduções da Sagrada Escritura e da sua minuciosa difusãoCf. Propositio 43.. Bom será que tal trabalho, pela sua própria natureza, seja feito na medida do possível em colaboração com as diversas Sociedades Bíblicas.

A Palavra de Deus supera os limites das culturas[]

116. No debate sobre a relação entre Palavra de Deus e culturas, a assembleia sinodal sentiu necessidade de reafirmar aquilo que os primeiros cristãos puderam experimentar desde o dia de Pentecostes (cf. At 2,1-13). A Palavra divina é capaz de penetrar e exprimir-se em culturas e línguas diferentes, mas a própria Palavra transfigura os limites de cada uma das culturas criando comunhão entre povos diversos. A Palavra do Senhor convida-nos a avançar para uma comunhão mais vasta. "Saímos da estreiteza das nossas experiências e entramos na realidade que é verdadeiramente universal. Entrando na comunhão com a Palavra de Deus, entramos na comunhão da Igreja que vive a Palavra de Deus. (…) É sair dos limites de cada uma das culturas para a universalidade que nos vincula a todos, a todos nos une e faz irmãos"Bento XVI, Homilia durante a Hora Tércia, no início da I Congregação Geral do Sínodo dos Bispos: AAS 100 (2008), 760.. Portanto, anunciar a Palavra de Deus começa sempre por nos pedir a nós mesmos um renovado êxodo, deixando as nossas medidas e as nossas imaginações limitadas para abrir espaço em nós à presença de Cristo.

Advertisement